sexta-feira, 18 de maio de 2012

O pirulito da ciência, verdades, mentiras e Tom Zé

Desde os tempos dos pré-socráticos até os dias de hoje, o homem busca a verdade. Filósofos, cientistas, pesquisadores e tantos outros ramos do conhecimento procuram a verdade na natureza, na alma, no universo e até mesmo nas coisas do dia-a-dia da nossa existência. A era dos computadores e o desenvolvimento tecnológico deram uma acelerada significativa na busca do conhecimento e da verdade.
Mas, a humanidade continua escorregando aqui e ali no que afirma verdadeiro e depois descobre que não é tanto assim...
Tempos atrás, o escritor, humorista e colunista Fernando Veríssimo escreveu um belo artigo sobre o vai e vem da ciência em torno dos malefícios/benefícios causados pelo ovo frito. Um confesso apaixonado pelo ovo frito – principalmente por aquela gema de ovo escorrendo sobre um arroz soltinho, feito na hora –, Veríssimo lamentava o tempo que deixou de saborear essas delícias porque a medicina reverberava o colesterol e outros males advindos do hábito de comer ovo. Depois, descobriu-se que não fazia tanto mal assim, muito pelo contrário...
Com o cafezinho, aconteceu algo semelhante. O brasileiro, pobre coitado, habituado a tomar café várias vezes durante o dia, todos os dias, estava condenado a não sei quantos males. Era melhor exportar todo o produto e garantir benefícios pelo menos na balança de pagamentos.
Não paramos por aí. Pesquisadores norte-americanos descobriram que os tão propalados males do hábito da dar chupeta para os bebês não seriam bem assim... Depois de sugar a chupeta a seco, a criança sentiria prazer, conforto, acalanto e tantas outras coisas boas no seio da mãe. Muitas crianças apartadas das chupetas fizeram opção pelo dedo.
Mais recentemente, outros pesquisadores norte-americanos descobriram que além dos raios ultravioletas, também os protetores solares trazem sérios riscos de câncer de pele para o ser humano. O óxido de zinco, um dos ingredientes dos produtos, aquecido pelos raios ultravioletas, sofreria reações químicas e liberaria radicais livres com potencial para matar células. Se isso for verdade, imaginem quantas pessoas correram e ainda correm risco de ter câncer de pele provocado justamente pelos “protetores”... Como sou adepto da sombra e cerveja fresca, dessa eu escapo.
Por todas essas e tantas outras, prefiro aderir à ciência do cantor e compositor Tom Zé (foto acima). O mestre Tom Zé, com todos os seus devaneios e “loucuras”, tem a receita certa no álbum Pirulito da Ciência, que também virou um DVD, no ano de 2010. Quem ainda não o conhece, deve conhecê-lo. Eu antecipo duas pequenas amostras abaixo. E garanto cientificamente: vale a pena mergulhar nessas verdades...




3 comentários:

  1. Eu amooooooooo café. Daqueles bem fortes e sem açucar ou adoçante. Na minha casa só eu tomo café. Os argumentos "anticafé" são sempre os "científicos". Agora vou tomar meus cafés sem culpa....
    bjs,
    Melissa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melissa, eu também sou apaixonado por café. É uma das bebidas que eu mais adoro. Ainda bem que os pesquisadores descobriram o lado bom dessa bebida. Claro, em excesso pode fazer mal. Mas, claro, em excesso qualquer coisa pode fazer mal... Ou não?!?

      Excluir
  2. Eu apreciava muito um bom cafezinho brasileiro, mas por conta de um refluxo constante, aderira ao chá..agora, tomado de saudades, retornei ao velho companheiro...não era ele que me fazia mal e sim uma gastrite de fundo nervoso, que a yoga curou..agora, hare café!hum, que café! E prá rimar: que viva TOMZÉ!!

    ResponderExcluir