segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Pinturas e poesias para Vênus - ainda é muito pouco

O quadro O Nascimento de Vênus, pintado por Sandro Botticelli, em 1482, é uma das pinturas mais conhecidas e mais admiradas da história da arte. A deusa, no centro da tela, surge da espuma do mar, nua, numa concha, que é impulsionada para as margens da ilha de Chipre pelo sopro fecundador de duas personagens: Zéfiro e Clóris, que juntos simbolizam o ato físico do amor. Do outro lado da tela, encontra-se a figura da ninfa Flora, que procura cobrir a Deusa com um manto florido, cor de rosa.

A imagem é serena e a paisagem é luminosa, com elementos da mitologia clássica e do cristianismo. Na definição do perfil central, a influência das esculturas clássicas da Grécia. A maneira como o episódio é tratado e a forma como a tela é composta lembram representações cristãs do batismo de Cristo, com referências à concha, à água e às figuras dos anjos (representados pelos dois ventos). A pintura apóia-se numa temática da Antinguidade Clássica, mas filtrada por um neoplatonismo de raiz cristã, com significados simbólicos e alegóricos.
Fui rever essa pintura em livros por uma razão especial: hoje, dia 1º de agosto, é uma data significativa para todos nós que tivemos o prazer de ter convivido com Vênus Mara, que nos deixou há seis anos. Uma figura doce e bonita, como o nome, que nos cativava sempre com a sua presença e alegria.
Se ainda tivesse nos dando o prazer da sua companhia, estaria fazendo hoje 65 anos de idade. Estaríamos em Goiânia, no Setor Sul, ou aqui em casa, cercados de amigos e familiares comemorando mais um ano de sua iluminada presença.
Foi inspiração para muitos poetas – anônimos e assumidos. Meu mestre Itaney Francisco Campos, desembargador, poeta, escritor e amigo, foi um deles. Eu também fiz meus versos, encantado pela beleza, simpatia e alegria da inesquecível cunhada. Segue abaixo a poesia de Itaney e a minha para matar a saudade de Vênus, comemorar seu aniversário e fechar com alegria esta segunda-feira, 1º de agosto de 2011.


Vênus aprisionada
Itaney Francisco Campos

Há três dias ando expedindo cartas pungentes,
Telegramas urgentes,
Ofícios de gravata
A todos os grandes burocratas:
Presidente,
Governadores,
Diplomatas...
Senhor governador, é um caso de horror,
Senhor presidente, é um caso urgente.

Nas masmorras do Palácio,
(dois guardas, dois dragões à porta)
Há uma deusa em fria,
Há uma deusa nos braços
Gélidos, visguentos
Da burocracia.

Há uma deusa exposta aos perigos da papelrreitidoma.
Que a façam aeromoça,
Miss turismo,
Miss simpatia,
Tudo,
Menos funcionária pública, protocolar,
Marcando audiência,
Adiando audiências:
- Sinto, senhor, o Governador não pode atendê-lo, pois está em reunião...
- Pois não, senhor, aguarde um instantinho, o Governador já vai atendê-lo...

Artistas do mundo inteiro, uni-vos...

Poetas, seresteiros, acorrei...

Senhor Governador, em nome da arte,
E da fantasia,
Só lhe pedimos um justo favor,
Libere-nos Vênus,
Com o seu sorriso,
Com sua alegria...


Recanto de Vênus
José Carlos Camapum Barroso

Filha da terra e do céu,
Do amor de Gaia e Urano,
Veio ao mundo em véu
De espuma do oceano

A deusa filha dos deuses.
Trouxe beleza e amor,
Deu benção aos portugueses.
Ao mundo, seu esplendor.

Voltou ao céu pela arte
De amar ao deus Vulcano.
Mas fez Cupido com Marte...
No Verão? Ou no Outono?

Primavera ou Inverno?
Nem Saturno sabe a Hora...
Tanto amor, tanta quimera
Deixou aos deuses de outrora.

Veio banhar-se na Beócia,
Nos mares abrir caminho,
Tingir a rosa da Grécia
De branca em cor de vinho.

Ao mundo trouxe o riso,
Deu graças ao casamento.
Fez da terra, paraíso,
Na dor colocou unguento.

Na Sicília teve um templo
(Pafos, na ilha, também).
Deixou em todos, exemplo,
Graças e charme, amém.

Mudou-se pro mundo novo
Lá onde o céu é mais azul
Bem mais perto do povo
Em Goiânia, Setor Sul.

Mantém o riso e a beleza
Ama a vida, a Natureza...

3 comentários:

  1. Emocionado e com o coração pequeno! Lindo viu Zé, o Céu hoje está em festa... Todos comemoram o aniversário da linda Vênus.

    ResponderExcluir
  2. Realmente, essa Vênus de Botticelli é obra prima da pintura mudial de todos os tempos. Belíssima e justa homenagem a outra Vênus, essa de carne, osso, encanto e muito espírito e risos. Hoje feita de encantamento, que vive em nossa saudade..agora vejo como o meu verso é fraquinho frente à luminosidade da presença de Vênus Mara...deixe-me, amigo, fazer eco às suas palavras, de louvor a Vênus, não a de Milo, mas sim a de Goiânia....

    ResponderExcluir
  3. Recebi, por e-mail, os bonitos versos de Nélio Bastos, também em louvou a Vênus, que reproduzo abaixo. Isso confirma minha afirmação de que ela sempre foi fonte de inspiração :

    "Vênus com muita graça,
    Vênus com muito amor,
    Vênus com muito riso,
    Vênus grandeza do criador.
    Vênus moça encantada
    Que caminha e baila
    entre as estrelas,
    onde fez morada!
    Vênus que ainda faz festa.
    Vênus que é festejada."

    ResponderExcluir