domingo, 8 de maio de 2011

Mãe só se tem uma, mas eu tenho várias...

Mãe só se tem uma é bastante questionável, pois tenho minha mãe Iracema, que me trouxe para este mundo e permitiu que eu chegasse aonde cheguei, sendo responsável por tudo que tenho de bom (nem sei se é muito), mas as coisas que tenho de mais ou menos, ou abaixo disso, são conseqüências das fraquezas do ser humano. Outra mãe na minha vida é a mãe dos meus filhos, a Stela, com quem tenho a felicidade de conviver por um tempo que parece muito, mas é pouco. Tornou-se mãe no ano de 1983, quando nasceu o Ramiro; depois veio o Jordano e o lado maternal consolidou-se para sempre. Mãe dedicada e sempre presente, mesmo quando está fisicamente distante.
As outras mães são as mães dos meus sobrinhos, com as quais sempre convivi muito de perto: Juracema, Celiana, Ceres Maura, Jane Elmar, Mércia, Vagna e Elizabeth. Acompanho as alegrias delas, seus orgulhos com os filhos, seus sofrimentos e a luta diária para que seus pupilos e pupilas sejam mais do que elas conseguiram ser nesta vida. (Algumas foram até meio irresponsáveis, pois confiaram a mim o status de padrinho de alguns deles). Tem também umas mães mais apressadinhas, que se anteciparam às que seriam as mães dos meus netos, trazendo para este mundo os meus sobrinhos-netos. São elas Tatiana e Ludmila, mães do Filipe e da Luisa. Novinhas, mas plenamente aptas para essa difícil e árdua tarefa.
Existem outras mães que circundam o meu universo. São as primas que se tornaram mães e as mães dos meus primos, com os quais tive uma convivência muito próxima, desde os tempos de criança. São elas: Maria Enoy, Marília, Josefa, Vandira, Irani, Julieta, Vildean, Maria Camapum, Cleomar, Zizi, Dolores, Raimundinha, Constância, Miriam, Neuza e Angelina. Algumas delas já nos deixaram cheios de saudades, mas felizes porque temos a certeza de que cumpriram suas missões. Foram também um pouco mãe para mim e me ajudaram muito.
Saúdo todas elas neste dia cheio de simbolismo, embora se possa dizer que é apenas um dia comemorativo para quem merece ser homenageada durante todo o ano. Acrescento nesta felicitação também as mães dos primos mais distantes, dos que se tornaram primos a partir da minha convivência com a Stela, das mães dos meus amigos, das amigas que se tornaram mães (Margot, in memoriam), dos colegas de trabalho e de profissão, dos conhecidos e desconhecidos e, principalmente daquelas mães que tiveram a dor de perder um filho – em nome delas saúdo minha sogra, que já nos deixou, mas teve que passar por essa provação. Não esqueço jamais de suas palavras: “Deus me permita que eu nunca mais passe a dor de perder um filho”. Minha forma de homenagear as mães é pedir a Deus que conceda a todas elas pelo menos a metade da felicidade que desejam para os filhos. Amém.

Outro ser
José Carlos Camapum Barroso

Quem me dera dar à luz
Um filho e iluminá-lo pela vida.
Dar a ele o carinho protetor,
Esconder dele o pesadelo
E trazer o sonho de amor.
Acordar de madrugada
Abraçando sua presença,
Temendo pela ausência,
Livrá-lo do mal e da dor.

Quem me dera alimentar
Um filho com o próprio leite...
Protegê-lo com o sangue
Que jorra suave das veias.
Embalsamá-lo, se preciso,
Pra amá-lo eternidade afora.
Sem perder seu sorriso,
Nem escorrer gota de lágrima,
Trazê-lo antes de ir embora.

Quem me dera ter e ser
Tudo isso, Senhor, em vida.
E sonhar com a felicidade
Que das estrelas cadentes
Um dia tornar-se-ia desejo.
Noutra dimensão do sonho,
Este ser, então benfazejo,
Agora mais que humano,
Seria simplesmente mãe!


5 comentários:

  1. Bela homenagem, de muito conteúdo e ternura....abraços a vc e a todas essas mães especiais que vc mencionou...aqui e alhures, enfim às mães, que elas são mesmo especiais e não deveriam morrer nunca, como disse Drummond..

    ResponderExcluir
  2. Foi muito bom o nosso dia das mães. AS fotos tiradas por você e a Tati sempre ficam boas. Ser mãe é muito bom, ser pai deve ser também muito bom . Sem querer ser baixo astral me lembrei do Mário Quintana: "Como a gente gosta de pai e mãe, é uma forte amor, mas não sei porque só temos essa dimenção quando eles partem". Me lembro do meu pai e acho que ele significou mais do que eu imaginava. Obrigada a você e a Stela pela nossa festa. Beijos !

    ResponderExcluir
  3. Linda mensagem. Um dia, gostaria de escrever tão maravilhosamente, como você faz.
    Marina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Marina. Ponha pra fora os seus sentimentos, seus sonhos e as sua paixões. Expresse aquilo que você realmente pensa. Não tenha medo das emoções nem deixe de ser racional. Tenho certeza que sairá um belo texto. Grande abraço.

      Excluir
  4. Lindo demais queridinho ! Obrigada.

    ResponderExcluir