terça-feira, 19 de julho de 2011

Caridade, Irmã Dulce, Madre Teresa e Primo Levi

 O tema caridade é um dos mais intrigantes no universo das relações humanas. O que leva uma pessoa a dedicar-se plena e integralmente a ajudar o próximo, sem maiores questionamentos sobre quem é o necessitado, sua origem, sua classe social? O que teria levado uma madre Teresa de Calcutá (foto abaixo) a fazer exclusivamente o bem, sem olhar a quem? Ou uma irmã Dulce (foto acima), que recentemente foi beatificada, tornando-se bem-aventurada?
Alguns desses exemplos tornaram-se conhecidos mundialmente. Outros ficaram e permanecem no anonimato. Há também aqueles resgatados pela memória de algum escritor ou de algum dos seus socorridos.
Esse tema ocorre-me não apenas porque hoje é o Dia da Caridade, mas principalmente por um episódio que tive a oportunidade de ler no livro A Trégua, de Primo Levi. Conta ele que, depois de terem sido salvos pelos soldados russos, alguns dos seres que perambulavam pelo campo de concentração de Buna-Monowitz foram transferidos para Auschwitz.
Lá ele conheceu uma criança de aparentemente três anos de idade, que, como não tinha nome, acabou sendo chamada de Hurbineck. Ele era um nada, um filho da morte, um filho de Auschwitz. “Estava paralisado dos rins para baixo, e tinha as pernas atrofiadas, tão adelgaçadas como gravetos”. Não falava palavra e assim permaneceu por cerca de um mês.
Foi Henek-König, um dos poucos que não estavam doentes nem convalescentes, quem mais cuidou dele de forma tranqüila e obstinada. “Sentava-se junto à pequena esfinge, imune à autoridade triste que dela emanava; levava-lhe comida, ajustava-lhe as cobertas, limpava-o com mãos habilidosas, desprovidas de repugnância; e falava-lhe, naturalmente, em húngaro, com voz lenta e paciente”. Hurbineck deu seu último suspiro nos primeiros dias de março de 1945, “liberto mas não redimido”.
Que razões, humanas ou sobre-humanas, levam uma pessoa que viveu, e ainda vivia os horrores da guerra e dos campos de concentração, a atitudes espontâneas e profundas de caridade? Justamente ele, Henek, que, segundo a narrativa do autor, “guardava instintos pacatamente sanguinários”? Justamente ele que, por razões de sobrevivência, quando havia seleção no Bloco das crianças, era quem as escolhia?
Dizem alguns filósofos que a caridade faz mais bem a quem a pratica do que a quem a recebe. Isso provavelmente ocorre quando praticada com desprendimento, sem objetivos outros que não o bem em si mesmo. Sem mesquinharias e sem vontade de aparecer. É um ato que deve vir do coração, do fundo da alma. Um ato de amor.
Madre Teresa de Calcutá fez a seguinte declaração, ao ouvir de uma pessoa que não daria banho em um leproso nem por um milhão de dólares: “Eu também não. Só por amor se pode dar banho em um leproso”.
Henek provavelmente deve ter tido os mesmos sentimentos ao cuidar do pequeno desconhecido Hurbineck. O que ele poderia querer em troca por ajudar uma criança isolada do mundo, em Auschwitz, no final de uma grande e tenebrosa Guerra Mundial?
A caridade é um tema intrigante. Assim também a humildade... Mas aí é outra história...

Nenhum comentário:

Postar um comentário