quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Dia do Frevo antecipa o Carnaval nas ruas do Recife


O frevo é um ritmo genuinamente brasileiro, nascido lá no Recife, nos últimos anos do século XIX. Já escrevi neste blog (para ler clique aqui) sobre as belezas dessa manifestação cultural, inclusive ressaltando que, por merecimento, o frevo é homenageado duas vezes no ano. Uma no dia 14 de setembro, quando a comemoração é nacional, e a outra neste dia 9 de fevereiro, quando a população de Recife sai às ruas para celebrar o Dia do Frevo, embalada pela proximidade do Carnaval.
Recife e Olinda respiram e transpiram frevo durante todo o ano. Mas nesta época, os nervos sobem à flor da pele, a sensualidade ganha espaço e a alegria é contagiante. A programação divulgada pela prefeitura do Recife prevê atividades de 9h00 até o final da noite dessa quinta-feira.
Como o Dia do Frevo este ano caiu numa quinta-feira, aumentam as chances de prorrogação das comemorações até o domingo. Claro que vai ser um sacrifício enorme deixar o trabalho, o aconchego do lar, as reuniões espirituais para cumprir essa monótona e enfadonha missão anual de cair no frevo nas ruas da capital pernambucana.
Dois blocos tradicionais do carnaval recifense serão homenageados este ano: o Banhistas do Pina e o Batutas de São José. Ambos estão fazendo 80 anos de existência, sempre arrastando multidões e ajudando a consagrar a tradição da festa pernambucana. O Banhistas é um bloco mais lírico, desde que surgiu fazendo serenatas pela região praieira do Pina. Já o Batutas é um bloco mais acelerado e surgiu no bairro de São José, no centro de Recife, percorrendo diversas ruas da cidade.
Como nove de fevereiro também é dia de comemorar o aniversário do meu filho Ramiro, filósofo e advogado, o jeito é ficar por Brasília, mesmo. Não vai dar pra esticar até Recife e depois voltar pro Carnaval dos Amigos, no sábado, em Goiânia. Fevereiro é um mês de muita responsabilidade... Sábado passado foi o Concentra Mas Não Sai... Agora, Dia do Frevo... Depois, Carnaval dos Amigos... E ainda tem quatro dias de folia pela frente... Para sobreviver a tanta ousadia, só sendo “madeira de lei que cupim não roi”, com diz Capiba no frevo postado abaixo.


Madeira que Cupim Não Roi
Composição: Capiba
Canta: Bloco da Saudade

Madeira do rosarinho
Vem a cidade sua fama mostrar
E traz com seu pessoal
Seu estandarte tão original
Não vem pra fazer barulho
Vem só dizer... e com satisfação
Queiram ou não queiram os juízes
O nosso bloco é de fato campeão
E se aqui estamos, cantando esta canção
Viemos defender a nossa tradição
E dizer bem alto que a injustiça dói
Nós somos madeira de lei que cupim não rói

Nenhum comentário:

Postar um comentário