quarta-feira, 22 de junho de 2011

Poesia que vira a noite e traz a aurora

Considero a construção de um texto poético um enigma difícil de decifrar. Não basta só inspiração, já disseram, mas também muito trabalho, concentração e persistência. Mas, a verdade é que sem inspiração, nesse particular, não há trabalho que dê resultado. Não há esforço que faça surgir no céu uma lua prateada, com estrelas brilhantes e o silêncio que nos conforta. A concentração foge pela linha do horizonte e nos deixa só, prontos para desistir... Adeus persistência.
Digo isso porque recebi esse texto abaixo de minha irmã Juracema. Confesso que poucas vezes tive a oportunidade de ler algo tão inspirado. Provavelmente, a luta que ela travou noite adentro em busca de uma poesia, ou de um poema, deve ter sido intensa. Mas, se ela não conseguiu passar para a folha em branco a poesia que sonhava, mal percebeu que escrevera um texto poético, sensível e suave como são as noites bem dormidas.
Nada mais posso fazer além de publicar o texto dela para dividi-lo com os amigos e postar um vídeo de A Noite do Meu Bem, de Dolores Duran – uma das minhas grandes paixões. Acho que tem tudo a ver com o texto de Juracema. Se estiver enganado, espero que pelo menos sirva para desejar a todos uma boa noite, bons sonos e muita inspiração na vida.


A noite e os poetas
(Juracema Camapum Barroso)

     A noite é um desafio para a morada poética. Estar dentro da noite é quase tudo. Quase nada. É galopar com a imaginação, com a alma em estado de ternura, nostalgia. Portas e janelas se fecham. Luz da lua, das estrelas, mistério e solidão acolhem os que procuram aflorar os mais puros sentimentos na folha branca.
     A força da noite é mágica para o que não teve espaço na luz do sol. A rotina do dia nem é lembrada. Ecos secretos murmuram sinos da mente que badalam solidão.
     A noite pode ser o fim, pode ser o começo. Proporciona o encontro do que ainda não tem voz com o que comprime a alma. Na memória há lembranças, recordações, momentos, desejos, com uma necessidade quase vital de decifrar, organizar turbilhões de sentimentos.
     A arte de sonhar e suas variadas interpretações, o que foi lindo ou triste, uma realidade ambígua, liricamente explicada, possa ser melhor aos ouvidos de um poeta. Sonhos distantes como as estrelas brilham em noites escuras, cheias de gritos abafados, não há como distinguir o que é doce ou amargo, os sabores se misturam.
     A noite retorna à infância cheia de labirintos camuflados. O poeta sente-se vulnerável, perde-se, inquieta-se, e na própria voz entre o silêncio e a escuridão clareia um verso. A insônia persegue a obsessão de criar ou concluir. A noite pode estar vestida por um céu estrelado, ou de prata pela luz da lua cheia. A beleza é o encanto que ameniza a dor da procura. Ela não é só fria, no calor da noite quando o silêncio invade uma mente criativa, belos versos surgem. O que estava lá fora atravessa paredes, portas e janelas.
     Enquanto a noite se estende, os poetas indormidos tentam abrir conchas que não querem ceder. O intento vai espreitando na angústia da criação. Imerso na paixão de criador roga por uma luz, lança vôos na imaginação. Extravasar sentimentos é esculpir, lapidar uma pedra rara, o diamante a um só dono pertence.
     O poeta é meticuloso, eufórico, contemplativo e medroso no seu processo criador, pois ele sabe que a Lira é traiçoeira. Não pode o delírio da imaginação arrastar sem controle as emoções. Busca no passado compreender o presente e um sentido para o futuro. A dúvida é o massacre, da inconformidade, a alma doída tenta amenizar sua dor no desabafo. Cheio de sombras sem formas, sua alma esgota e as palavras são “machados que batem e retinem na madeira, e os ecos! Ecos escapam do centro como cavalos. Palavras secas, sem destino, incansável som de cascos" (Sylvia Plath).
     Quando a noite é agraciada por uma chuva fina, parece a certeza de Deus, conforto dos anjos.  Haverá tempo para uma revisão? E o crepúsculo da manhã chegando, o tempo... As indecisões. O delicado sentido do anoitecer termina com o encanto da aurora.


2 comentários:

  1. Adorei o seu comentário recomendando o meu texto, ficou melhor que a encomenda. Valeu,meu irmão muito obrigada !!

    ResponderExcluir
  2. Vildeth Camapum de Carvalho2 de julho de 2011 21:39

    minha querida prima adorei ..vc se revelou uma grande poeta ...lindo ...vai em frente ..bjs

    ResponderExcluir